quinta-feira, dezembro 02, 2010

Calmaria... Seguida de estresse.

   Fim de ano é tudo igual: correria, estresse, datas festivas próximas... Tantas coisas que até esquecemos de nossa rotina perdida no decorrer do ano. Tudo vira motivo pra dar um "freak out" todos os dias e passamos a contar no calendário quantos dias faltam para as férias. Será que somos tão destemperados e mal nos damos conta disso? Ou será mais um pensamento complexo e sem nexo da minha cabeça?
   Já perceberam que, em todo Natal, dizemos que sonhamos com um mundo melhor e que temos compaixão com os que não tem o que comer?O problema é que mal notamos o quão nossa mesa está cheia de comida, muita fartura, e compramos aquela montanha de presentes caros. De que adianta refletir se não sabemos agir?
   E em todo reveillón então? A famosa "lista de desejos". Você escreve tudo o que quer deletar em você (principalmente comer menos e mentir menos) e o que quer ganhar (um novo amor ou mais tempo livre). No começo do ano, você realmente tenta atender aos seus pedidos, mas vai chegando a páscoa e você já larga aquela história de regime e faz hora extra pra agradar o chefe. Aliás, você só se lembra que o ano começou depois do carnaval. Antes disso, é só folia.
   Chegam as férias de julho e você já se sente um pouco fatigado e cansado, louco pra descansar os pezinhos na rede e tomar água de coco. E quem disse que você consegue? Pra começar, você não pagou suas contas, não organizou a papelada pra jogar fora, não reabasteceu sua dispensa e muito menos deu um check-up no seu carro. Ou seja: julho é o mês de resolver coisas pendentes.
   Semana de outubro: sua coluna já não é a mesma. Sua audição já não é a mesma. Seus cabelos já não são os mesmos. Você descansa só no dia 12 indo à praia, o que não é bem descansar... Aquele Sol de rachar, protetor solar exalando seu cheirinho (des)agradável e bolas de plástico caem no seu corpinho branquelo, interrompendo sua marca de biquíni. Se você ficasse em casa, com toda a certeza algum cano estouraria, ou  luz do seu prédio resolveria acabar.
   Eu acho que essa coisa se repete todos os anos. Descansamos demais e ficamos cheios de energia, mas... Quando essa energia acaba, o trabalho está longe de acabar. Chega de reflexões porque o tempo não vai me esperar pra terminar minhas resenhas.



E aí, pessoal? Vocês concordam comigo? Comentem!

quarta-feira, novembro 24, 2010

Atitudes e pensamentos tão complexos

   Eu sempre fui do tipo de pessoa que altera o tom de voz por qualquer motivo que seja. Eu sempre fui do tipo de pessoa que, por qualquer coisa, joga as coisas pro alto e pensa em desistir de tudo. Eu sempre fui do tipo de pessoa que acredita na ética. E, principalmente, eu sou do tipo de pessoa que não se arrepende de nada do que fez ou do que disse.
   Eu sempre me deparo com situações constrangedoras, tendo que ter jogo de cintura e, principalmente, paciência. E, como já havia esclarecido, não tenho nenhuma dessas duas proezas. Tenho um sério problema de me estressar facilmente e de remoer coisas que poderia dizer. Hoje, por exemplo, participei de um debate em sala de aula, contradizendo o que meu grupo falou.
   O chato é que eu só disse aquilo porque não soube lidar com minha capacidade de argumentar e com meu estresse. Acho que não só por aquilo, mas pela falta de ética dos outros alunos, que levaram as coisas pro lado pessoal. Que eu saiba, em um debate, desconsideram-se opiniões pessoais. Se eu sou a favor daquilo fora de um debate, problemas. O que conta são os argumentos que eu apresento dentro do assunto discutido.
   O bom é que, presenciando e participando desse debate, aprendi que devo formular melhor minhas ideias, tendo mais calma na hora de falar e de escutar. Desconsidero pessoas que queiram ou tentem me humilhar e considero as pessoas que realmente me questionam, de maneira limpa e racional. Digo isso porque tenho vontade de dizer, mas faltam-me oportunidades. E adoro fazer raivinha!!!! Muahahaha!!!

sexta-feira, novembro 19, 2010

Gringo? Me poupe.

   Estava em uma comunidade do Orkut e comentaram sobre o possível vexame do Brasil na copa e nas olimpíadas. Eu até concordo com isso, mas o que mais me preocupa é a mania que o brasileiro tem de puxar saco de gringo.
   Eu nunca vi coisa mais irritante que ver brasileiro se achando porque tirou foto com gringo, porque serviu um gringo no restaurante, porque flagrou um casal famoso de gringos fazendo caminhada no calçadão... A coisa é tão absurda que chega até a ser engraçada.
   Mas, se você for à França e falar inglês com eles, eles fingem que não lhe ouviram. Se você pedir informação a um francês ele provavelmente te passa a informação errada, principalmente se seu francês não for bom. Você é praticamente obrigado a falar em inglês nos EUA, enquanto eles conversam com os brasileiros aqui em inglês.
   Eu não acho que só porque o inglês é a língua universal, os brasileiros sejam obrigados a falar esse idioma aqui, sendo que lá nos EUA só possamos falar em inglês. É claro que tem alguns que tentam falar português (para eles eu tiro o chapéu), mas acharem que podem dar o famoso "jeitinho brasileiro" e acharem que aqui é deles é o que mais me incomoda.
   Não trato mal gringo, mas também não fico toda me achando quando um gringo me pede informação e eu respondo em inglês. Sim, tive que responder em inglês porque eu vi que a pessoa realmente precisava de uma resposta em inglês para não se perder. Não sou má, mas aos que vierem aqui, façam o favor de aprender o básico de português, já que a língua oficial do brasileiro é essa.

quarta-feira, novembro 03, 2010

Um lugar perfeito chamado quintal...

   Muitos não o possuem mais. Devido aos prédios e todas as suas facilidades, morar em um apartamento é hoje preferência da maioria da população. Muitos crêem que esse tipo de moradia garante maior segurança e aconchego do que uma casa.
"Pra que casa? Um apartamento é bem mais prático e fácil."
   Em alguns casos, a afirmativa anterior é compatível aos dias atuais. Mas não estou aqui para analisar os prós e contras de se ter um apartamento. Estou aqui para mostrar que tem uma parte da casa que nem todo mundo tem. Na minha casa, por exemplo, eu não posso contar com uma coisa que existia em praticamente todas as casas brasileiras: o quintal.
   Uma árvore frutífera, terra levemente afofada, um balanço, matinho, hortinha...
    As crianças, após fazer seus deveres, brincam de subir na mangueira, de comidinha, de balanço, pega-pega, esconde-esconde...
   Na hora do almoço, a mamãe cuida da hortinha e apanha alguns chumaços de cebolinha e um pezinho de alface para colocar sob a mesa.
   A galinha que mora naquele pedacinho tão frequentado na casa cisca as minhoquinhas, grãozinhos, bichinhos para botar seus ovos.
   À tarde, sentam-se mãe, avó e sogra para tricotar e falar da vida alheia.
  "Como aquela fulana é sirigaita!! Eu a vi usando esmalte vermelho e a saia dela ia acima do joelho!!! Uma pouca vergonha!!!".
  O tempo passa e pequenos pingos de chuva caem sob a terrinha, deixando-a com cheiro de casa de vó.
  À tardinha chega, e mamãe pega um tomatinho pra colocar na sopa.
  Juntam-se pai, mãe, filhos, avós... Todos assentados nas cadeirinhas de madeira desbotada, contando causos, estórias, fofocas e olhando o céu.
  Admirando o céu!!!
  A hora de se deitar chega, e papai é o último a deixar o quintalzinho.
  Ah... Quintalzinho. Quisera eu que realmente existisse... Ou que voltasse a existir.

 

sexta-feira, outubro 22, 2010

Preconceito idoso

   Minha avó ficou aqui por uma semana. Como de praxe, meu lado observador ficou bem aflorado e eu passei a analisar todas as atitudes consideradas relevantes dela. Não me dou muito bem com seu jeito, meus pensamentos não coincidem com os dela em praticamente aspecto algum e minha personalidade afugenta a dela.
   Apesar disso tudo, eu gosto da minha avó. Mas voltando ao assunto, o que eu mais fiquei pasma foi ela dizer que homem não nasceu para fazer serviço de casa. Quando ela disse isso pra mim depois de eu xingar meu irmão por ele não ter lavado a louça (e era a vez dele lavar). Eu olhei discretamente para minha avó, e ela dizia: "Homem não sabe fazer serviço de casa, né Camila?". Eu não iria mentir, pois ODEIO mentir, então eu disse: "Ah sabe sim. Se brincar, melhor do que qualquer outra mulher.". Minha avó se sentiu contrariada e disse: "Lá em casa só eu sei fazer as coisas...”. Ela falou mais um monte de coisa e eu aos poucos fomos a a deixandoela falando sozinha.
   É impressionante ver que, nos tempos atuais, as pessoas ainda tenham esse pensamento tão primitivo e sem nexo. Para comprovar que nem todos os idosos pensam assim, minha outra avó adora quando vê eu e meu irmão arrumando a casa, deixando-a limpinha para minha mãe.
   Acredito que essa avó preconceituosa pense dessa maneira pela sua criação, onde os homens trabalhavam na lavoura e as mulheres dentro de casa. Resultado: os homens aposentaram-se, mas as mulheres não. As mulheres continuam cuidando da casa, mas os homens ficam olhando para o teto, sem fazer nada, apenas recebendo tudo na mão. É por isso que meu avô não sabe fazer nada. Meu pai e meu tio só sabem porque se mudaram para minha cidade quando jovens, em busca de um bom emprego.
   O pior é que, além de achar que homens não sabem fazer serviço de casa, minha avó acha que mulher não serve para governar um país. Ela nunca votou em mulher nem para vereadora. Preconceito puro.
   É nessas horas que dou graças a Deus por ter nascido em cidade grande e em uma época aonde as mentes vão se abrindo e incorporando novas ideias!


domingo, outubro 17, 2010

Desvicialização

   Todos nós temos vícios. Eu, por exemplo, sou viciada em escrever, em assistir filmes, em mexer no computador... Tantos são os vícios que eu me considero uma garota "vício". É iminente que certos vícios prejudiquem nossa vida.
   E resolvi abandonar o maior e mais gostoso dos meus vícios: mexer no computador. Pode parecer exagero no começo, mas mexer muito no computador começou a me fazer mal fisicamente e psicologicamente.
   Meus olhos ficavam constantemente avermelhados, passei a ter olheiras, minhas unhas era constantemente roídas (mais que de costume), noites mal dormidas, cabelo mal cuidado e fome repentina e compulsória.
   Além disso, minha ansiedade ficou maior, meu estresse alcançou limites inimagináveis, fiquei mais agressiva e impaciente, passei a ter dores de cabeça e enjoos... Foi aí que percebi que estava passando da hora de reduzir meu tempo no computador.
   Após a minha redução, tudo ficou mais claro: fiquei mais disposta pra fazer as coias, mais atenta, mais calma e mais feliz!!! Agora tenho que aprender a passar menos tempo vendo televisão...

sexta-feira, outubro 08, 2010

Um tempo que deixa marcas

   Por mais que eu tente, às vezes tenho saudade de tempos que não voltarão mais... Saudade que me remete ao poema de Casimiro de Abreu, mas que não se restringe apenas aos meus oito anos...
   Saudades da quarta série, de quando eu lia Witch e Smack e fazia os mesmos testes de dez angulos diferentes para comparar os resultados, de quando eu tinha minhas melhores amigas, de quando eu levava lanche na lancheira e de quando eu assistia Sakura Card Captors.
   Saudades da sexta série, de quando eu colecionava álbuns de figurinhas, de quando eu tinha coleções de adesivos, de quando eu tinha meu fichário da Hello Kitty, de quando eu nem ligava para minhas notas da escola e só queria ver TV o dia inteiro.
   Saudades da sétima série, de quando eu tinha meu grupinho que ouvia RBD e sabia as letras de trás pra frente, de quando eu baixava músicas no Shareaza e conversava no Msn até tarde na minha internet discada e achava o máximo.
   Saudades do 1º ano, de quando eu criava fan fic's, de quando eu tinha meus constantes amores platônicos, de quando eu escrevia religiosamente no meu diário, de quando eu ganhei meu notebook e escrevia "Vida Loka" no meu perfil no Orkut porque estava na moda.
   Saudades do 2º ano, de quando eu vi minha sala alagada e com roupas penduradas no varal, de quando eu saía mais cedo do colégio e fazia hora na rua até dar a hora de ir pra casa, de quando eu ria da minha antiga professora de química...
   Esse é meu último ano lá, na escola que acompanhou meu crescimento, que eu cultivei grandes amizades, que eu me diverti muito e chorei muito. Saudade eterna sentirei, de um tempo que não voltará mais. Irei aproveitar os últimos meses que me restam, meses que considero os mais importantes e decisivos para mim. Porque nada será como antes, nem nunca será. 


segunda-feira, outubro 04, 2010

A nova Jasmine


Nasceu problemática nossa querida amiga Jasmine.
Ela era e é uma pessoa de personalidade extremamente difícil e muito reclamona.
Muito amorosa, Jasmine é muito organizada e muito amada.

Jasmine pasou a sua infância com suas lindas bonecas e seu lindo poodle.
Ela encantava a qualquer adulto, pois era muito sorridente e tinha lindos olhos verdes...
E Jasmine me conheceu...
Tornamos-nos grandes amigas! Ficamos quatro amigas muito unidas: eu, Jasmine, Branca de Neve e Rapunzel!

Tomamos caminhos diferentes a partir da quarta série...
Ela e Rapunzel para um palácio, eu para outro e Branca de Neve para outro ainda mais distante.
Reencontramos-nos!
E os problemas de Jasmine começaram: Ela procurava seu príncipe encantado...

Beijou vários sapos e só se decepcionava, pois só beijava os sapos errados.
Quando beijava um suposto príncipe, descobria que esse príncipe era uma bruxa que só queria se aproveitar de seus belos olhos verdes...

Foi aí que Jasmine pensou que seu amigo doceiro pudesse ser seu verdadeiro príncipe encantado...
Doce engano!
Ela achava que seu sonho tinha se tornado realidade. Um amor perfeito, um Romeu e Julieta, um Sonho de Valsa... Pensou até que os dois poderiam ser bem casados!

O doceiro na verdade era um marceneiro, esperando a oportunidade certa para lhe dar uma machadada pelas costas.
Fora a maior de suas decepções, talvez a que arrancasse maiores suspiros de seu doce coração...

Chorando se foi ela;
Caminhando sem rumo, sempre bela,
A procura de um ombro amigo...

Eis que encontra um gladiador, que a consolou
Não só ele.
Um ninja, um Drácula mulher e uma havaiana.
Jasmine superou...

E superou como ninguém, passando a não procurar o príncipe encantado
Ele a procurou!
Seu Alladin chegara!
E a levou para seu palácio nos céus da Arábia Saudita
Onde eles viam os golfinhos de bomba
E se esqueciam dos problemas!
Jasmine ficou feliz
E o doceiro? Bem... Ele morreu de diabetes... 

O "poema" acima é um pedido de uma amiga para que sua vida se tornasse uma história! Espero que eu tenha conseguido!!!! 
Beijos!


 

segunda-feira, setembro 27, 2010

Ofuscados pelo ego


   Não é de hoje que venho observando o comportamento alheio em certas situações. Ultimamente tenho freqüentado diversas festas com as mais diferentes companhias e as mais diferentes pessoas. Será que meu “trabalho de campo” obteve bons resultados? Ou será que foi mais uma tentativa falha de provar que a sociedade tem salvação? É o que veremos a seguir.
   A primeira observação relevante foi o fato que as pessoas sempre tiram fotos no começo da festa. A partir do meio da festa, as pessoas sempre colocam seus pertences na mesa de um desanimado e se acabam na pista de dança. Após botarem os pezinhos e os calcanhares no chão da pista, esquecem de Deus e o mundo e nem pensam em tirar mais fotos porque ficam excessivamente molhadas e desarrumadas.
   Até aí, nenhum problema, pois dançar faz muito bem para o corpo, para a alma e você se diverte. A outra constatação é que me deixou muito abismada. Apesar de, nas festas, as “tribos adolescentes” se misturarem, sempre tem o grupinho dos sem brilho. E eles são o principal foco da minha análise.
   Quando eles chegam às festas, chegam a bandos. Adoram ficar na porta do lugar onde a festa é e dar uma “checada” em quem está entrando na festa. Enquanto esperam serem os últimos a entrar, gritam, fumam, mostram que trouxeram bebida... Até parece que os outros convidados estão interessados nisso.
   Mas a pior parte é o comportamento deles dentro das festas. Os sem brilho não suportam serem mais apagados ainda por causa de outras pessoas, que merecem o verdadeiro valor do destaque. Para se sobressaírem, bebem horrores, fumam expelindo fumaça para todos os lados e entornam vodka no chão. Os mais maldosos não se contentam em apenas ser o centro das atenções. Pior: derramam bebida nos outros convidados, colocam substâncias alucinógenas na bebida dos outros e empurram-nos para terem mais espaço.
   A pergunta que não quer calar é: o que eles ganham com isso? Por que esses sem noção fazem isso? Resposta simples: além de querer aparecer, eles sente a enorme necessidade de ser melhor do que o outro, de serem notados a todo custo, de serem populares. A fama é o desejo de muitos, mas a conquista de poucos. Agindo assim eles ficam mais anônimos do que nunca, sendo rapidamente esquecidas por seus barracos, suas doses de bebida a mais e outros.
   Quando saem das festas, fingem estar bêbados para que todos prestem atenção no seu comportamento ridículo e infantil durante grande parte da festa. Para que todos prestem atenção e notem que aquele sem brilho passou por ali e deixou sua “marca registrada”... MARCA REGISTRADA? AONDE? POSSO SABER? Além de fazer papel de ridículo na frente de todo mundo, você ainda ganha de brinde uma baita de uma ressaca.
   Pessoas assim deveriam saber que ninguém realmente se preocupa de verdade com seus tropeços e que vira as costas no primeiro tombo que levam. E depois vem com a desculpa esfarrapada de que se arrependeu do que fez. E passa outra festa e fazem a mesma coisa. E se arrependem novamente, criando um ciclo vicioso, procurando matar a sede com um pouquinho de fama. E sabe o que conseguirão? NADA. Não merecem. Nunca merecerão. E termino aqui minhas constatações.

quinta-feira, setembro 23, 2010

Aniversário... Junto com ele, os receios...

   Hoje fiz aniversário. Estou feliz por ter completado 17 anos de existência. O que não é tão bom assim é que, junto com o meu aniversário, uma onda de incertezas tomou conta da minha cabeça esta madrugada. Eis aqui elas:
  • Medo de não passar de ano
  • Medo de não passar na faculdade
  • Medo do trote da faculdade
  • Medo de não fazer amigos na faculdade
  • Medo de nada dar certo na minha vida
  • Medo de o mundo acabar em 2012
  • Medo de ficar uma baleia
   Poxa... Quem nunca teve um medinho sequer de alguma das incertezas supracitadas??? Ao invés de pensar em coisas boas, fiquei martelando coisas ruins na minha "cachola"... Como já estava no auge da baixa estima, resolvi pensar em soluções para as minhas neuras. Eis aqui elas:
  • Camila, você é uma pessoa totalmente capaz de passar de ano. Esqueça essa história de bomba.
  • Se você não passar esse ano na faculdade, com toda a certeza você passará em algum outro ano. Você não quer entrar na faculdade despreparada, quer?
  • Camila, você é alérgica à tinta. Eles não podem  obrigá-la a participar de uma coisa que vai deixar-lhe toda empolada, não é?
  • Você sabe que fazer amigos pra você não é a tarefa mais difícil do mundo. Rapidamente você faz novos amigos e conserva os velhos, tendo o dobro de amigos!!!
  • Se nada der certo na sua vida, apele para o lado artístico, ou então vire caixa de supermercado!! Fome você não passa!!!
  • Se o mundo realmente acabará em 2012, é sua obrigação aproveitar o que ele tem de melhor agora!! Saia divirta-se e viva cada minuto como se fosse o último!!
  • Você tem o metabolismo acelerado, dança pra caramba e adora andar à pé!! Você só fica gorda se comer demais.
    Viu só? Pensar nas soluções disponíveis para os seus problemas deixa tudo mais fácil e divertido!!! E você?? Já teve alguma das neuras que eu comentei? Opine!!!
Beijos para todos os leitores!!

segunda-feira, setembro 20, 2010

Por debaixo do tapete existe uma vassoura...

   Política é um assunto que tento dominar, mas nem sempre consigo entender. Tirei meu título com 16 anos, pois tenho vontade de chegar em frente à maquina e ajudar a escolher o futuro do meu país. Mas será que só isso basta? Só escolher o candidato é melhorar meu país?
   Sempre procurei me informar sobre meus candidatos. Toda a trajetória política e as propostas que eles possuem para fazer do Brasil um lugar melhor são alguns dos aspectos que avalio antes de escolher em quem realmente votarei. O chato é que, no Brasil, o voto é obrigatório. Parece ser um detalhe insignificante ao olhar de muitos, mas é totalmente relevante se olharmos com uma visão mais ampla.
   Vamos imaginar uma pessoa que não queira votar, mas é obrigada para não ter o cartão de crédito bloqueado, poder participar de um concurso público e outras de mil restrições que o governo impõe, para que a pessoa não tenha alternativa senão votar. E essa pessoa, revoltada por ter essa obrigação, vota tudo em branco. Como não tem o mínimo interesse por política, ela se esquece que, votando em branco, acaba votando no candidato com maior porcentagem (exceto nos candidatos a deputado estadual e federal, se não me engano), votando em alguém sem saber. Isso não se chama apenas falta de interesse: isso se chama falta de informação. Alguém aí me fala se viu na TV alguma propaganda dizendo que o voto em branco vai para os candidatos com maior porcentagem. Aliás, se vivemos em uma democracia, POR QUE RAIOS O VOTO É OBRIGATÓRIO?
   A maioria das pessoas com quem convivo não se interessam minimamente por política. Têm preguiça de ver a situação em que nosso país se encontra, de ir votar, de analisar o que pretendem fazer com nosso país. E isso acaba se refletindo não só nos candidatos, mas até numa folha de alface que você compra. Como? Inflação, redução do salário...
* escolha que você faz nas urnas reflete para o que você espera do seu país. Aulas de história, filosofia, sociologia e geografia são sempre reduzidas no ensino médio (pelo menos em Minas). Podem parecer um detalhe irrelevante, mas são essas aulas que nos ajudam a entender melhor o que acontece no nosso país, o que os antigos governantes realmente fizeram para beneficiar a população. O que os atuais políticos querem com isso?Desinteressar os jovens a entender política. Fazer com que muitos não queiram saber qual é a função de cada um.
  Queria que algum político se virasse e dissesse: quero acabar com o voto obrigatório. Mas NENHUM político faz isso. Sabe por quê? Porque todos querem que você caia na lábia deles e vote. E é nesse ritmo que o Brasil anda. Não concordo com o "Tiririca", pois acho que a situação no Brasil só piora em quesitos políticos, e "pior que tá fica".
   É por isso que peço a quem vota nessas eleições: pesquise ao menos por um minuto o que seu candidato fez, o que ele pretende fazer, se ele é podre, se realmente vale a pena usar seu voto para elegê-lo. É o mínimo que podemos fazer, já que a corja de políticos continua em massa, extraindo nossas riquezas, nossa economia e nosso dinheiro para benefício próprio.

quarta-feira, setembro 15, 2010

A maior das virtudes

   A virtude mais preciosa em um ser humano é dificilmente encontrada, pois nós, seres humanos, mascaramos tê-la. Entretanto, em certas situações comprovamos se essa virtude realmente existe dentro de nós. 
   Estou falando da humildade, coisa rara hoje em dia. Mas... O que é humildade? Segundo o dicionário Aurélio, humildade é: 1. Virtude que nos dá o sentimento da nossa fraqueza. 2. Modéstia. 3. Submissão.
   Não sei quanto à vocês, mas eu não concordo com nenhuma definição supracitada. Vamos analisar cada significado:
"1. Virtude que nos dá o sentimento da nossa fraqueza.": Fraqueza? Ser humilde é ser fraco? Ser humilde pode parecer fraqueza, mas é totalmente o inverso, pois uma pessoa humilde coloca-se em seu lugar, respeitando o próximo. Às vezes isso é muito difícil, e só sendo muito forte para conseguir realizar essa ação.
"2. Modéstia.": Eu odeio quando me falam que ser humilde é ser modesto. Entram muitas questões em cima disso, mas humildade e modéstia NÃO são sinônimas. Ser modesto é não ressaltar suas boas características, é se colocar abaixo do outro. Ser humilde é respeitar o lugar do outro, é admitir seus defeitos e suas qualidades. É aí que entra a falsa modéstia (falar mal de si apenas para se promover), que corrói lentamente a boa imagem das pessoas. 
"3. Submissão.": Ser humilde NÃO é ser submisso. Submeter-se a alguém é fazer tudo aquilo que ele deseja, é servir ao outro. Humildade é reconhecer que você deve obedecer àquela pessoa, mas não deixar que ela pise em você. 
   A humildade vai além do que eu disse, pois engloba tantas outras virtudes, que são raras nos dias de hoje.
   E você? Considera-se uma pessoa humilde? Que significado você daria para essa palavra? Comente!

sábado, setembro 11, 2010

Telefones...

   O telefone toca e eu estou ocupada. Como eu odeio telefone fixo... Aquela campainha irritante, que só pensa em tocar no exato momento em que você está ocupada. Em compensação, meu celular nunca toca... Vai ver é porque eu o deixo no silencioso... Rá Rá Rá! Mas, continuando meu relato sobre o telefone, eu atendo o telefone já com aquela voz ríspida, tediosa e grossa:
   _ALÔ. 
   Eu não faço uma pergunta (alô?-pisca, pisca-), eu só FALO alô. A infeliz do outro lado responde:
   _Olá. Sou Fulana da editora tal e blá, blá, blá... 
   O engraçado é que você tenta ser educada com essas pessoas, mas elas insistem tanto que sua paciência vai pro ralo. Após o longo discurso de 0,005% de desconto e da caneta de brinde, eu respondo:
   _Eu não estou interessada nessa revista...
   O mais engraçado ainda é que ela ainda pergunta:
   _Por que, senhora?
   SENHORA É A MÃE, DROGA! Eu juro que eu tento ser paciente e esquecer que eu tenho lição acumulada, que minha casa está uma bagunça, que alguém fez um comentário desagradável pra mim e que o toque do telefone ainda ecoa nos meus ouvidos. Mas o tentar nem sempre quer dizer o conseguir... Lá vai a bomba:
    _Eu não tenho idade para assinar uma revista, eu não tenho nenhum cartão de crédito e eu não pedi pra você opinar sobre o que eu deva ler ou deixar de ler. Logo, se eu desligar esse telefone antes que você conclua sua fala, você estará ciente dos meus motivos. 
    E a mulher ainda fala:
   _Mas é um desconto de...
   PAF!!! Desligo meu telefone e volto aos meus afazeres. 
   Dez minutos passados, minha vontade de jogar o telefone no vaso se dissipa e eu estou totalmente concentrada naquela conta egípcia de matemática, que torra o restante da minha paciência. Eu ouço uma musiquinha da Lady Gaga tocando e corro pra atender meu celular, na esperança que seja alguém que não fale de planos, descontos, brindes nem nada parecido. Número coonfidencial na tela. Aí eu solto:
   _Alô?
   _TUA FILHA TÁ COMIGO!!!! Ô, MEU, TU FICA ESPERTA. SE QUER VER TUA FILHA VIVA TU TEM QUE MIM PASSAR DEZ MIL.
   Eu desligo o celular na cara do doidão. Não digo nada. O chato é aturar minha mãe reclamando que eu odeio atender telefone.
   Se ela soubesse...

quarta-feira, setembro 08, 2010

Procuramos Independência

   A parte mais difícil de encontrá-la é se livrar das coisas que lhe prendem. Livrar das coisas que lhe prendem leva tempo. Independência é uma palavra que, ao mesmo tempo que me conforta, me apavora. 
   A parte ruim de ser independente é que, juntamente com ela, chega a dupla responsabilidade, o bom senso, a cautela...São boas características, mas me apavoram porque não sei até quando vou ter a ajuda dos meus pais para adquirir essas qualidades gradativamente. Nunca saberemos se temos independência suficiente para prosseguir sem sofrer grades abalos (sejam financeiros, sejam existenciais). É bom ser paparicado pelos pais, não ter que se preocupar se já passou o dia de pagar a conta de luz, se não largou a chave dentro de casa... Eu sei que ser independente é relativo, afinal, sou ADOLESCENTE. Quase adulta. Mas ainda sou adolescente. 
   A parte boa de ser independente é você depender cada vez menos dos outros (dãã), elevando sua capacidade de lidar com as situações. Pais não duram a vida toda, então é mais que nossa obrigação aprender a se virar sozinho. Para uns, esse processo é mais rápido, para outros é mais demorado e, para outros, nem sequer chega (quem nunca viu um cinquentão morando na casa da mamãe??). 
   Eu tento ser mais independente a cada dia, pois sinto necessidade de ter minha própria vida. Lógico que nunca seremos totalmente independentes (alguém aí tem plantação de algodão e de arroz em casa???), mas acho que ir se desprendendo de certos hábitos que tínhamos quando crianças (medo do escuro, dinheiro pra comprar um doritos...) é saudável tanto para mente quanto para a vida. 
   E você? Se considera uma pessoa independente? Dê a sua opinião!!! Beijos,
Camila

  
  

sexta-feira, setembro 03, 2010

Desabafo

   Nunca tive muita paciência para as coisas. Desde enfiar uma linha numa agulha até aguentar andar de carro sem estar no banco do motorista. Isso não quer dizer que eu seja hiperativa, mas é a sensação de não fazer nada que me deixa ansiosa, nervosa.
   Pior que a sensação de não fazer nada, uma das coisas que mais me irrita é a mania que os outros tem de me corrigir. Não digo isso apenas em coisas escolares. Digo isso pelas minhas atitudes.
   Corrigir é bem genérico, pois um simples palpite já me deixa um pouco nervosa. É incrível como as pessoas tem o dom de dizer a coisa errada, no lugar errado e no momento errado. É como se milhões de hormônios fizessem uma espécie de "dança da fervura", que me deixa com "cara de fuinha" e consumida por dentro. Resolvi ignorar as correções e os palpites, mas isso só piorou a situação!!! Parece que quanto mais eu deixo pra lá, mais raiva eu tenho, e meu "termômetro desregulado de estresse" literalmente explode, machucando quem estiver por perto.
   Por mais que eu deixe claro, tem muita gente que continua a fazer as mesmas coisas que fazia antes, achando bonito e engraçado se eu sair do sério. Não é tão engraçado assim como parece, pois eu até choro dependendo da intensidade da raiva que eu sinto, mesmo que uma palavra tenha me feito explodir.
   Não sou um animal, um bicho de sete cabeças pra todos saírem correndo. Sou um ser humano como qualquer outro, e mereço respeito, pois respeito meus semelhantes e não tenho dado tantos motivos para tantas brincadeiras chatas e repetitivas. Não gosto que saiam dando palpite da minha vida, e todos que fazem isso estão cansados de saber o que penso a respeito de palpites e correções. Mas insistem, parecendo que é pra ferir mesmo.Chega


PS:Eu tenho o DIREITO de desabafar no meu blog, e se você acha que a carapuça serviu e está achando ruim que eu escreva o que eu tenho vontade no MEU blog, o problema é seu. Ninguém é obrigado a ler meus desabafos, mas se eu estiver a fim de fazer, o problema é meu.
PS2: Se acha que eu sou uma chiliquenta, exagerada e fico fazendo drama, faça o favor de nem me dirigir a palavra, já que eu sou tão imperfeita e você se considera um exemplo de perfeição.
PS3: Não quero ferir ninguém que leia isso, pois são sentimentos antigos, mágoas que ficaram aqui dentro e que dificilmente serão retiradas, pois o limite já extrapolou-se ha muito tempo e eu não tenho vontade nenhuma de permanecer calada perante às coisas que me incomodam.

   Para quem teve paciência de ler até o final, um muito obrigada, pois isso mostra que o que eu escrevi faz sentido.
Beijos,
Camila.

quarta-feira, setembro 01, 2010

Necessidade...

   É difícil mostrar que não sou a mesma de antes. Que não quero mais ficar agarrada a lembranças remotas, que me trazem boas sensações, mas que retardam meu novo jeito de olhar as coisas.
   É mais difícil ainda mostrar que quero dar o pontapé inicial na concretização de meus objetivos, e não ficar apenas olhando o tempo passar. Quero melhorar, mas muitas pessoas veem de maneira errada essa mudança. Não quero ser arrogante, rude, grossa e muito menos injusta. Procuro a saída daquela menina de anos atrás e a entrada para uma pessoa mais sóbria, mais objetiva e mais concentrada.
    Acho necessário um pequeno afastamento das coisas que considero supérfluas e concentrar-me mais na pessoa que pretendo ser daqui pra frente. Momentos de renovação e descobertas tomam conta de mim e acho necessário que todos respeitem essa nova fase da minha vida. Nem Jesus agradou a todos, então opiniões sobre mim que eu não considero relevantes serão descartadas, deletadas. Se aceitarem-me ficarei muito satisfeita, porque sempre procuro mudar para melhor. Acredito que todos nós pensemos dessa maneira. 

   E você? Gosta de mudanças? Comentários serão sempre bem-vindos!




sexta-feira, agosto 27, 2010

Por uma vida mais saudável

   Nunca gostei de dietas. Nunca mesmo. Mas teve uma época que foi necessário. Em 2008, eu estava acima do peso segundo o IMC (Índice de Massa Corporal) e me consultei com um endocrinologista, que me passou uma dieta. No começo eu seguia tudo à risca e o resultado foi o emagrecimento de 9 kg. O objetivo desse post é mostrar o quanto eu fico indignada com essas dietas malucas de revistas de 1,99.
   Quando eu tinha uns 9 anos (e era uma criança com peso normal) eu queria ser magrinha como a minha vizinha da rua de cima. Dei uma olhada numa dieta de uma revista qualquer. Lá dizia que eu deveria comer uma torrada sem nada de manhã, almoçar uma fruta e jantar uma outra torradinha. Me respondam: aonde estão os laticínios? Aonde estão os carboidratos? Aonde estão as proteínas? Eu tentei seguir a tal da dieta, mas minha mãe me explicou que essas dietas não funcionam, pois você não come o que você precisa pra ficar em pé. Então eu voltei a comer como antes.
    Só que passados os anos, passei a comer demais e engordei muito (coisas da TPM, da adolescência), o que me fez ficar com probleminhas. Por isso a dieta ORIENTADA POR UM PROFISSIONAL. Imagina se eu comesse o que a revista mandava até hoje? Talvez eu estaria no hospital tomando soro na veia e não estaria digitando esse texto aqui.
   Não adianta deixar de comer uma coisa, sendo que depois você fica com fome e acaba comendo o dobro e engordando mais do que tinha antes... Hoje em dia, como enjoei de pão integral e gelatina diet, eu como pão de sal e gelatina tradicional e não me sinto uma baleia por isso. Comer é bom, principalmente na adolescência, quando podemos comer fast food sem se importar com taxas de colesterol como os idosos.

Espero que tenham gostado do post!
Beijos sabor salada de frutas!!!
Camila



 
   

sábado, agosto 21, 2010

Aonde o mundo foi parar?

   Nós, mulheres, sofremos com um dilema: descobrir as verdadeiras intenções de um homem. Parece ser fácil, pois se ele diz que te ama, logo você pensa que ele gosta de VOCÊ. O pior é que nem sempre isso realmente acontece...
   Antigamente, na maioria dos casos, o homem se casava com sua esposa pelo dote. Não se via mulheres da alta sociedade solteiras por muito tempo. Ninguém falava sobre o homem dar o "golpe do baú", mas se uma moça nova se casasse com um idoso, já era motivo suficiente para dizer que a moça estava apenas querendo se aproveitar do velhote.
    Após o desuso dos casamentos arranjados, os homens passaram a se interessar não em uma, mais em várias mulheres. Uma mulher não era o bastante para satisfazer aos desejos incontroláveis deles. Quando o homem traía era uma coisa comum, e o casamento não acabava. Mas se a mulher traísse... Argh. Melhor nem comentar, já que em certos lugares do mundo mulheres são apedrejadas por traírem seus maridos, sendo que são obrigadas a dividí-lo com mais 4, 5 esposas. 
    Agora, nem casar eles querem mais. "Morar junto já está ótimo" é uma frase constantemente dita por eles, quando perguntamos por que não casar... Moram junto, beijam mais três na cara dura, pegar safadas das "zonas" e caem na gandaia da sexta ao domingo. 
   Nós, mulheres, não ficamos de vítmas, pois não é difícil ver mulher agarrando vinte homens em uma festa só, traindo seus namorados e achando bonito, ter orgulho de dizer que perdeu a virgindade antes dos 16... Me digam: AONDE O MUNDO FOI PARAR? 
   No meu bolso é que não foi. Por isso eu digo: pensem DEZ MIL VEZES antes de acreditar no "eu te amo" do companheiro. Se desde a época da antiguidade não souberam definir o amor, imagine agora, já que os valores amorosos perderam quase todo o sentido? E essa dica vale para os homens também, já que as mulheres andam bem "saidinhas" nas últimas décadas...

   Smuacks!!!
 Ass: Camila.


terça-feira, agosto 17, 2010

Me olhando desse jeito ela me tem na mão...

Olá!
   Meu nome é Camila, tenho 16 anos e alguns dos leitores desse blog já devem ter ouvido falar de mim. Vejamos os meus antigos blogs...
Garotas.com e Tudo que uma pricesa quer(2008-2009)
Blog da Milet(2009)
Dornelas.com(2010)
   Eu não queria sair do último endereço, mas isso foi necessário devido aos eternos problemas com o UOL Blog. Veremos se o blogspot fará meus dias menos complicados e não trate de travar toda hora.
   Para os que não me conhecem, 10 dados sobre mim que todos devem saber:
  1. Eu mudo de humor a cada segundo (por isso troquei o nome do meu antigo blog)
  2. Estou na tentativa de aprender a falar inglês fluentemente
  3. Amo chocolate duo e arroz
  4. Tenho um fraco por músicas antigas
  5. Detesto perguntas idiotas
  6. Amo conhecer gente nova
  7. Tenho um fraco por histórias teens
  8. Tenho uma coleção ENORME de revistas
  9. Amo música nacional (rock, MPB, sertanejo, bossa nova...)
  10. Quero descobrir a fórmula pra deixar minha família mais organizada.
   Agora que falei um pouquinho de mim, queria saber um pouco mais dos meus novos leitores... Por isso, sempre deixarei uma enquete diferente aqui no blog. Pretendo fazer também um espacinho de destaque de leitores blogueiros e um link-me. Espero que eu fixe nesse endereço, pois odeio ter que mudar de endereço... Por hoje é só! Espero escrever nessa semana ainda pessoal!!!
Smuacks pra todos!!!
Ass: Camila.