quarta-feira, setembro 08, 2010

Procuramos Independência

   A parte mais difícil de encontrá-la é se livrar das coisas que lhe prendem. Livrar das coisas que lhe prendem leva tempo. Independência é uma palavra que, ao mesmo tempo que me conforta, me apavora. 
   A parte ruim de ser independente é que, juntamente com ela, chega a dupla responsabilidade, o bom senso, a cautela...São boas características, mas me apavoram porque não sei até quando vou ter a ajuda dos meus pais para adquirir essas qualidades gradativamente. Nunca saberemos se temos independência suficiente para prosseguir sem sofrer grades abalos (sejam financeiros, sejam existenciais). É bom ser paparicado pelos pais, não ter que se preocupar se já passou o dia de pagar a conta de luz, se não largou a chave dentro de casa... Eu sei que ser independente é relativo, afinal, sou ADOLESCENTE. Quase adulta. Mas ainda sou adolescente. 
   A parte boa de ser independente é você depender cada vez menos dos outros (dãã), elevando sua capacidade de lidar com as situações. Pais não duram a vida toda, então é mais que nossa obrigação aprender a se virar sozinho. Para uns, esse processo é mais rápido, para outros é mais demorado e, para outros, nem sequer chega (quem nunca viu um cinquentão morando na casa da mamãe??). 
   Eu tento ser mais independente a cada dia, pois sinto necessidade de ter minha própria vida. Lógico que nunca seremos totalmente independentes (alguém aí tem plantação de algodão e de arroz em casa???), mas acho que ir se desprendendo de certos hábitos que tínhamos quando crianças (medo do escuro, dinheiro pra comprar um doritos...) é saudável tanto para mente quanto para a vida. 
   E você? Se considera uma pessoa independente? Dê a sua opinião!!! Beijos,
Camila

  
  

6 comentários:

  1. "Independência é uma palavra que, ao mesmo tempo que me conforta, me apavora."
    Exatamente!
    Nossa, eu já fui bem mais dependente e tímida(acho que uma coisa está relacionada a outra em termos), mas já melhorei muito. Mas tenho certeza que ainda não conseguiria viver sozinha. Acho que quando chegar na faculdade, esse processo deve acelerar mais e aí sim, poderei me considerar independente !

    Gostei do texto!

    Beijinhos ! ;*

    ResponderExcluir
  2. Eu me considero independente em certos pontos, enquanto em outros não haha. Tipo, eu me considero bem madura em relação às minhas opiniões e pensamentos, bem independente de alguém me combrindo nesse sentido rsrs. Mas às vezes ainda tenho umas crises de Peter Pan ou medo do escuro hahaha. Gostei do seu comentário sobre a minha história, e bom qd as pessoas dão opiniões como a sua, pq eu vejo que elas tão bem envolvidas na parada, ou seja, eu vejo q as minhas histórias não são tão ruins hahaha. Enfim, eh isso, bjão!

    ResponderExcluir
  3. Pois eu não vejo a hora de ser independente. Ter minha própria casa, meu dinheiro (e poder gastá-lo como quiser haha), minha prfissão. Meu pai é muito diferente de mim (em relação a parte financeira da família), e acho que é isso que me estimula a querer ser tão independente. Mas independência é algo que é visto de várias maneiras, por várias pessoas, mas acho que não é preciso ter essa espécie de receio. Temos mania de ter medo do desconhecido, acho que vale a pena esperar com calma por essa fase que todos nós teremos que enfrentar. Beiju!

    ResponderExcluir
  4. Como sempre, seu texto ficou muito bom, Dodô. Entretanto, você deve ficar mais atenta à norma culta. Seu uso valoriza muito qualquer redação, tornando-a mais bela e elegante. Além disso, você prestará vestibular no fim do ano e, portanto, precisa praticar muito. Se quiser, posso revisar seu próximo post antes que você o coloque no blog.
    Best regards.

    *Eu sou hipócrita. hahaha

    ResponderExcluir
  5. Oi Camila... muito interessante seu post sobre independencia! Hoje mesmo eu fiz um sobre o que pensamos quando adolescente e se parece bem com o que você falou! Passa lá pra dar uma olhada e me seguir também!
    Podemos trocar links...
    melmicheletti.blogspot.com

    ResponderExcluir