segunda-feira, setembro 27, 2010

Ofuscados pelo ego


   Não é de hoje que venho observando o comportamento alheio em certas situações. Ultimamente tenho freqüentado diversas festas com as mais diferentes companhias e as mais diferentes pessoas. Será que meu “trabalho de campo” obteve bons resultados? Ou será que foi mais uma tentativa falha de provar que a sociedade tem salvação? É o que veremos a seguir.
   A primeira observação relevante foi o fato que as pessoas sempre tiram fotos no começo da festa. A partir do meio da festa, as pessoas sempre colocam seus pertences na mesa de um desanimado e se acabam na pista de dança. Após botarem os pezinhos e os calcanhares no chão da pista, esquecem de Deus e o mundo e nem pensam em tirar mais fotos porque ficam excessivamente molhadas e desarrumadas.
   Até aí, nenhum problema, pois dançar faz muito bem para o corpo, para a alma e você se diverte. A outra constatação é que me deixou muito abismada. Apesar de, nas festas, as “tribos adolescentes” se misturarem, sempre tem o grupinho dos sem brilho. E eles são o principal foco da minha análise.
   Quando eles chegam às festas, chegam a bandos. Adoram ficar na porta do lugar onde a festa é e dar uma “checada” em quem está entrando na festa. Enquanto esperam serem os últimos a entrar, gritam, fumam, mostram que trouxeram bebida... Até parece que os outros convidados estão interessados nisso.
   Mas a pior parte é o comportamento deles dentro das festas. Os sem brilho não suportam serem mais apagados ainda por causa de outras pessoas, que merecem o verdadeiro valor do destaque. Para se sobressaírem, bebem horrores, fumam expelindo fumaça para todos os lados e entornam vodka no chão. Os mais maldosos não se contentam em apenas ser o centro das atenções. Pior: derramam bebida nos outros convidados, colocam substâncias alucinógenas na bebida dos outros e empurram-nos para terem mais espaço.
   A pergunta que não quer calar é: o que eles ganham com isso? Por que esses sem noção fazem isso? Resposta simples: além de querer aparecer, eles sente a enorme necessidade de ser melhor do que o outro, de serem notados a todo custo, de serem populares. A fama é o desejo de muitos, mas a conquista de poucos. Agindo assim eles ficam mais anônimos do que nunca, sendo rapidamente esquecidas por seus barracos, suas doses de bebida a mais e outros.
   Quando saem das festas, fingem estar bêbados para que todos prestem atenção no seu comportamento ridículo e infantil durante grande parte da festa. Para que todos prestem atenção e notem que aquele sem brilho passou por ali e deixou sua “marca registrada”... MARCA REGISTRADA? AONDE? POSSO SABER? Além de fazer papel de ridículo na frente de todo mundo, você ainda ganha de brinde uma baita de uma ressaca.
   Pessoas assim deveriam saber que ninguém realmente se preocupa de verdade com seus tropeços e que vira as costas no primeiro tombo que levam. E depois vem com a desculpa esfarrapada de que se arrependeu do que fez. E passa outra festa e fazem a mesma coisa. E se arrependem novamente, criando um ciclo vicioso, procurando matar a sede com um pouquinho de fama. E sabe o que conseguirão? NADA. Não merecem. Nunca merecerão. E termino aqui minhas constatações.

5 comentários:

  1. Nossa, eu estou com mt medo de vc... Qual foi a da bola de cristal? Entrou na minha vida agora, é? Ultimamente eu tenho mestado na mesma situação, esse FDS mesmo fui na festa de uma grande amiga, e acompanhei o comportamento ridiculo dessas pessoas das quais vc fala no texto... Adoro seu blog, vc sempre ta falando de coisas interessantes por aqui hahah eh isso, bjos!

    ResponderExcluir
  2. O problema é que essas pessoas normalmente não são tão "sem brilho" assim. Algumas delas tem certa influência (negativa) sobre as outras e isso acaba aumentando o bando de idiotas. Eu concordo com você. Essas cenas são realmente dispensáveis e só o que fazem é as pessoas ao redor sentirem pena, nojo, repúdio deles. Pena... Adolescentes perdidos.

    Beijos ;*

    ResponderExcluir
  3. Gente, eu comentei sobre isso em um blog há pouco menos de, sei lá, 3 minutos (?).
    A questão é que quando a gente cresce, a gente aprende que se divertir é uma questão pessoal. Eu, por exemplo, me divirto sem precisar parecer que estou me divertindo (entendeu? hahaha). Já outras pessoas se divertem só se estiverem com os holofotes. É uma pena, realmente.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Posso dizer que vc retratou no seu texto a realidade das festas! É isso mesmo que acontece! rsrs Só resta se divertir!! Gostei mt do seu blog! BJ

    ResponderExcluir